Buscar

Cada um dá o que tem



De acordo com a Bíblia, José foi o filho preferido de seu pai, Jacó, e isto trouxe-lhe muitos problemas. Seus irmãos tinham inveja e raiva dele e distanciavam-se de José e chegaram a cogitar matá-lo, mas acabaram por vendê-lo como escravo e mentiram ao pai dizendo que ele havia sido devorado por uma fera. Entretanto, o mundo dá muitas voltas e o escravo veio a tornar-se governador do Egito e depois de reencontrar-se com seus irmãos e ter mando buscar o pai para junto de si, deu o melhor ao pai e aos irmãos.

Quando seu pai morreu os irmãos temeram que José se vingasse deles. Vejamos o que diz a narrativa dessa história:


Depois de haver sepultado seu pai, voltou José para o Egito, ele e seus irmãos, e todos os que com ele subiram a sepultar seu pai. Vendo então os irmãos de José que seu pai já estava morto, disseram: Porventura nos odiará José e certamente nos retribuirá todo o mal que lhe fizemos. Portanto mandaram dizer a José: Teu pai ordenou, antes da sua morte, dizendo: Assim direis a José: Perdoa, rogo-te, a transgressão de teus irmãos, e o seu pecado, porque te fizeram mal; agora, pois, rogamos-te que perdoes a transgressão dos servos do Deus de teu pai. E José chorou quando eles lhe falavam. Depois vieram também seus irmãos, e prostraram-se diante dele, e disseram: Eis-nos aqui por teus servos. E José lhes disse: Não temais; porventura estou eu em lugar de Deus? Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem, para fazer como se vê neste dia, para conservar muita gente com vida. Agora, pois, não temais; eu vos sustentarei a vós e a vossos filhos. Assim os consolou, e falou segundo o coração deles.” (Gn 50.14-21).

Leio o texto e recordo uma história de meu pai e seus colegas com determinado professor. Ele era um professor muito amado e os alunos decidiram oferecer-lhe uma bandeja de presente, mas também em forma de gozo, puseram na mesma, um par de chifres. No fim do ano, na festa de conclusão, coube ao professor fazer o discurso de despedida aos alunos, ele faz todas as saudações e pede licença e sai e regressa com a bandeja coberta com um pano. Os alunos ficam em suspense e ao retirar o pano havia rosas e ele disse a seguinte frase: “Cada um dá o que tem!”.

Essa história conjuga-se muito bem com José e seus irmãos. Eles eram maus e só maquinavam coisas ruins, mas José dava o que tinha e assim, pode abençoar toda a sua família. O que essas duas histórias nos ensinam para a nossa caminhada diária?

Aqui encontramos a lição do perdão. José olha para seus irmãos e os perdoa. O professor olhou para os seus alunos e ofereceu rosas, símbolo do amor. Eles não se deixaram consumir pela maldade que lhes foi imposta, simplesmente deixaram o fluir do perdão alcançar os demais. Quem perdoa vive livre e leve. Sendo assim, que possamos perdoar e nos reconciliar com aqueles que intentam fazer-nos mal.


Uma outra lição maravilhosa que encontro é a do consolo. Havia apreensão nos irmãos de José e também nos alunos e tanto numa história quanto na outra os envolvidos foram surpreendidos por uma atitude bondosa. Isso promoveu consolo, deu paz ao coração de todos. Foi a oportunidade para um novo começo. Que possamos aprender a consolar e tranquilizar aqueles que ficam vulneráveis perante nós.


Aprendo também a lição do cuidado. É fantástico ver José dizendo que vai cuidar de seus irmãos e maravilhoso ver como o professor agiu com seus alunos. Isto mostra-nos que não devemos pagar o mal com o mal. Podemos ver as voltas que o mundo dá e nelas, temos a oportunidade de ser bênção até mesmo para aqueles que em algum momento não agiram corretamente conosco. Só cuida quem perdoa e quem vive a vida com graça.


Por último, o texto ensina-nos que Deus se faz presente em todos caminhos e tem um plano muito maior do que a situação presente. Os irmãos de José mentiram na tentativa de alcançar perdão, mas ele diz aos seus irmãos: “Não temais; acaso estou eu em lugar de Deus?” Essa pergunta mostra que depois de tudo o que aconteceu, José pode perceber que Deus sempre esteve presente no processo e mesmo seus irmãos tendo planos maléficos para ele, o Senhor transformou o mal em bênção.


O desafio que temos é o de não ficar preso ao que nos fizeram, mas perceber o que Deus tem traçado para nós. Muitas vezes, o Senhor irá nos guiar por caminhos que não gostamos, iremos sofrer e ser desprezados por aqueles que nos são próximos. Entretanto, nessa caminhada, Deus estará guiando-nos, protegendo-nos para que no tempo d’Ele, possamos ser bênção da vida dos outros.


A verdade, é que vivemos dias onde a maldade tem-se multiplicado, mas podemos confiar no Senhor e no seu agir, pois Ele transforma o mal em bênção e devemos seguir o exemplo de José e do professor e pagar o mal com o bem. Cada um dá o que tem e se assim é, o que estamos oferecendo aos demais?


#vida #perdão #fé

96 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo