Buscar

Espiritualidade saudável



O apóstolo Paulo, depois que teve um encontro com o Senhor Jesus, investiu sua vida na pregação do evangelho e na formação de líderes que pudessem ensinar todo o desígnio de Deus. Com o passar dos anos, o evangelho se expandiu, dando lugar ao que chamamos hoje de cristianismo. Contudo, como afirmou John Stott, “O cristianismo não é uma religião, e muito menos uma religião entre muitas, mas, sim, a boa vontade de Deus para o mundo”. Nesse sentido, é fundamental compreender essa boa vontade de Deus para conosco, ao estabelecer uma relação espiritual com o homem, criando-o à sua imagem e semelhança e aproximando-se ainda mais da sua criação, por meio do seu filho Jesus Cristo. Segundo Eugene Peterson, a “espiritualidade é a atenção que dispensamos a nossa alma, ao interior invisível de nossos viver que constitui o cerne da nossa identidade, essa alma feita à imagem e semelhança de Deus que compreende nossa singularidade e glória. Espiritualidade é a preocupação que temos pela invisibilidade inerente a cada visibilidade, pelo interior que fornece o conteúdo de cada exterior. Necessariamente, ela lida e muito com interioridade, com o silêncio. Com o isolamento ou solitude. Leva extremamente a sério, o mais que pode, todas as questões da alma”. O apóstolo Paulo trata dessa questão quando orienta Timóteo sobre a vivência da fé e ele escreveu:


Sabemos que a lei é boa quando usada corretamente. Pois a lei não foi criada para os que fazem o que é certo, mas para os transgressores e rebeldes, para os irreverentes e pecadores, para os ímpios e profanos. Ela é para os que matam pai ou mãe ou cometem outros homicídios, para os que vivem na imoralidade sexual, para os que praticam a homossexualidade, e também para os sequestradores, os mentirosos, os que juram falsamente ou que fazem qualquer outra coisa que contradiga o ensino verdadeiro, que vem das boas-novas gloriosas confiadas a mim por nosso Deus bendito. Agradeço àquele que me deu forças, Cristo Jesus, nosso Senhor, que me considerou digno de confiança e me designou para servi-lo, embora eu fosse blasfemo, perseguidor e violento. Contudo, recebi misericórdia, porque agia por ignorância e incredulidade (1 Tm 1.8-13). 

Diante desse texto, quais são os ensinamentos sobre uma espiritualidade saudável?


A primeira lição que aprendemos sobre uma espiritualidade saudável é o entendimento correto da lei. O apóstolo Paulo deixa claro que o alvo da lei não é o santo, mas aquele que é o prevaricador, o pecador. Sendo assim, a lei é preventiva e tem também a finalidade de conduzir o infrator ao arrependimento e mostrar a maneira correta de agir.


A segunda lição que aprendemos sobre uma espiritualidade saudável é que essa acontece como um ato de gratidão por aquilo que Jesus Cristo fez. A iniciativa é sempre de Deus, Jesus é quem faz com que o indigno se torne digno, ou seja, é o agir do Senhor e a obra que Ele realizou na cruz fez com que o ser humano possa ter a capacidade de viver uma espiritualidade saudável, através da observação correta dos ensinamentos do Senhor.


Por último, aprendemos que a espiritualidade saudável é fruto da manifestação da misericórdia de Deus. O apóstolo Paulo declara que ele agia de forma errada, mas bem-intencionado, mas isso não o justificava, pois a salvação veio por meio da graça de Jesus Cristo e por ela a misericórdia chegou ao apóstolo.


A espiritualidade saudável também acontece quando a pessoa segue o caminho de Jesus Cristo e como afirmou Eugene Peterson, “O caminho de Jesus não é uma sequência de exceções do habitual, mas uma maneira profunda e plenamente com as pessoas agora mesmo, no lugar em que nos encontramos”. A pergunta que fica é: estás seguindo o caminho de Jesus Cristo?

67 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo